A Bela e a Fera

Versão de Figueiredo Pimentel do original dos Irmãos Grimm

Ilustrações: Margaret Tarrant

Riquíssimo e honrado mercador do Oriente, chamado Abdenos, tinha três filhas formosíssimas. Infelizamente as duas mais velhas não aliavam a bondade à beleza.

Eram más, astuciosas, dissimuladas e invejosas.

Em compensação a mais nova – tão bonita que a chamavam Bela – era um anjinho e por isso mesmo as irmãs mais velhas náo podiam vê-la. Como o pai a estimava muito, limitavam-se apenas a contrariá-la, no que podiam, e a mal interpretar todas as ações da pobre menina.

Um dia o mercador teve necessidade de fazer uma viagem para tratar de negócios importantes. Na ocasião em que se despedia das filhas, perguntou-lhes se tinham desejo que lhes trouxesse alguma coisa.

As duas mais velhas, que já esperavam a pergunta, fizeram-lhe mil pedidos, jóias, rendas e outros objetos da mesma natureza.

Como Bela nada pedisse, o mercador perguntou-lhe se não tinha desejo algum.

– Eu, meu pai – respondeu a gentil menina, -que hei de desejar?… Nada me falta.

Abdenos insistiu. Bela não sabia o que havia de pedir, só para contentar o pai, porque, na verdade, nada desejava. Uma flor que tinha na mão lembrou-lhe um meio de sair da dificuldade.

– Traga-me uma rosa, papai – disse por fim.

O mercador fez a viagem sem novidade, e depois de concluir os negócios, pôs-se a caminho para casa, montado num magnífico cavalo.

Ao cair da noite do primeiro dia de marcha, sobreveio terrível tempestade, que lhe Fez com que se perdesse no bosque.

Galopou, durante algum tempo, por uma estrada que se estreitava cada vez mais, na qual os calhaus, que a princípio tornavam o passo um pouco incômodo, eram substituídos ‘por grandes penedos, dificilmenre transpostos pela alimária, constituindo sério perigo para o caaleiro, que podia ser cuspido da sela e esmigalhado.

As árvores descarnadas, que orlavam a estrada, tomavam estranho aspecto, figurando seres Fantásticos, cujos braços pareciam querer dilacerar o temerário que se embrenhara na terrível estrada e obstar a que continuasse a avançar.

Abdenos, aterrado, incitava o cavalo, que galopava, transpondo com prodigiosos saltos os grandes penedos.

A estrada, que ia pouco a pouco estreitando, por fim terminara.

De repente, em um daqueles saltos, o terreno faltou-lhe subitamente debaixo dos pés e o animal precipitou-se num profundo abismo.

O mercador, vendo a morte ante seus olhos, e lembrando-se das filhas, principalmente da mais nova, a mais querida, soltou um grito angustioso, dizendo:

– Adeus, Bela.

No momento em que pronunciava estas palavras, um ramo susteve-o no ar, o pobre velho, meio louco de terror, viu-se salvo.

Achava-se quase no fiando dum abismo, profundíssimo. Passado o primeiro momento de estupefação, começou a trepar pela parede do abismo, onde as enormes rochas Formavam uma espécie de escada. Nunca poderia subir aqueles imensos degraus. Mil e mil vezes teria caído, se os ramos das árvores o não ajudassem e amparassem.

Quando chegou à parte superior, ficou deslumbrado cor a formosa cena que tinha ante os olhos.

As sombras da noite tinham sido substituídas por suave clatidade; o caminho aparecia de novo liso, igual, coberto de dourada areia que cintilava. As horrendas árvores cediam lugar a formosos arbustos cobertos de mimosíssimas e variadas flores, que embalsamavam o ar. No fim da extensa aléia de esfinges, via-se um palácio cujas portas estavam abertas de par em par. Entrou.

Na porta de uma das salas estava escrito o seu nome. Abdenos, surpreendido, viu-se numa sala de banho. Fez as suas abluções, mudou de roupa e passou à sala imediata, onde viu uma mesa luxuosamente posta, mas com um só talher.

O mercador sentou-se. Quando acabava de se servir de um prato, este desaparecia, sendo instantaneamente substituído por outro. Abdenos notou que lhe
eram servidas as suas comidas e vinhos prediletos. Terminando, foi visitar o palácio. Estava já fatigado, quando se lhe deparou um quarto, onde havia uma cama feita.Deitou-se e não tardou em adormecer profundamente, prostrado pela fadiga e pelas emoções por que passara.

Acordou no dia seguinte, ao romper do dia. Depois de se vestir e de orar, passou à sala onde encontrou o almoço na mesa.

Após o almoço, erguendo-se, disse em voz alta:

– Quem quer que sejas, a quem devo tão generosa hospitalidade, recebe os meus sinceros agradecimentos. Bendito sejas. E seguindo o caminho que na véspera percorrera, saiu do palácio.

À vista dos jardins, lembrou-se do pedido de Bela. Andou em busca da mais formosa roseira e, vendo uma que lhe agradou, escolheu a mais bela.

<!–[if gte vml 1]> <![endif]–>Quando cortou a haste, que ficou a gorejar sangue, ouviu um sentido gemido e uma voz que na espessura dizia:

– Ah, ingrato! Assim pagas a hospitalidade que te dei!

O mercador, surpreendido, ergueu os olhos, e ficou aterrado, deparando uma fera, parecida com um urso, que lhe mostrava um dístico, no qual se liam esta palavras:

“Todo aquele que tocar nestas flores, serd imediatamente morto.”

Abdenos balbuciou algumas palavras, tentando justificar-se:

– Perdão! Perdão! Como poderia adivinhar que, cortando uma rosa, para levar a minha filha, cometia uma ação má, que incorria em tão severa pena?

– É irrevogável esta sentença e ninguém a ela se pode esquivar, a menos que outrém se sacrifique pelo criminoso. Prepara-te, pois, para bem morrer.

– Como posso preparar-me para bem morrer – gemeu o mísero, – sem ter deixado os meus negócios em ordem, e levando para a outra vida o receio de não ter seguro o futuro de minhas filhas? Tenho atualmente toda a fortuna empregada em negócios, que só eu posso deslindar. Com mais três meses de vida, salvava-se; e assim, deixo-as na miséria! Como posso bem morrer?

A Fera parecia sensibilizada.

– Não te poderia perdoar, ainda que o quisesse. Posso, porém, aceder ao teu último desejo. Concedo-te os meses. Findo esse prazo, tu ou alguém que queira substituir-te estará aqui, neste mesmo local. Dá-me tua palavra que assim o farás?

– Dou – respondeu Abdenos.

Mal pronunciava essa palavra, achou-se à porta de casa. Pareceu-lhe um sonho tudo quanto se passara, mas a rosa que tinha na mão não lhe deixava dúvida alguma sobre a triste realidade.

Abdenos subiu, sendo recebido pelas filhas com grande manifestações de alegria. As duas mais velhas perguntaram-lhe logo pelas encomendas, ficando desesperadas quando viram que o pai não lhas trazia, e mais ainda, ao darem com os olhos na rosa pédida por Bela.

Esta, reparando só no gesto demudado do velho, apenas tratou de inquirir o que tinha ele, O mercador procurou disfarçar, dizendo que estava bem e que náo sentia coisa alguma, além da natural flhdiga da viagem. Bela não acreditou nas palavras do pai; mas, não querendo ser importuna, fingiu que aceitava a explicação.

Os dias iam passando rapidamente para Abdenos, que não saía do escritório, ocupado em pôr em ordem os seus negócios, em liquidar a sua fortuna, e em chorar por ter de se separar para todo o sempre das filhas, principalmente de Bela.

Bela, por sua parte, desconfiava, espreitava-o. Numa noite ouviu-o dizer:

– Chegou o dia fatal. Amanhã tenho que dar cumprimento à minha promessa. Ah! Bela, Bela, quem diria que aquela rosa seria a causa da morte de teu pai!

Imagine-se como tais palavras deixaram a pobre menina. Recolhendo-se, lavada em lágrimas, ao quarto, ajoelhou-se ao pé do leito, pedindo ao Céu uma inspiração, que lhe permitisse salvar o pai.

Depois de feita essa oração, sentiu-se possuída de invencível sono, durante o qual lhe passaram ante os olhos as cenas que se haviam passado durante a viagem do mercador. Depois ouviu uma voz que lhe dizia:

– Se quiseres salvar teu pai, mete este anel no dedo, e ele te transportará pata onde desejares.

Nisto, Bela acordou, e viu sobre o travesseiro um anel. Então a excelente menina escreveu uma longa carta a Abdenos, contando-lhe como soubera o que se passara, e dizendo-lhe que, tendo sido a causa do perigo que o ameaçava e que Fazendo ele mais flilta neste mundo que ela, eta de justiça substituí-lo.

Quando acabou de escrever, meteu o anel no dedo, dizendo:

– Anelzinho de condáo, pelo condão que Deus te deu, transporta-me ao palácio da Fera.

De repente. viu-se à porta do palácio encantado.

Entrou, e percorrendo as salas, cujas portas estavam abertas de par em par, foi dar a uma outra, onde estava uma mesa posta para dois comensais. Na verga da porta da sala imediata lia-se o seguinte dístico: “Toucador de Bela”.

Nesse momento batiam a uma das portas da sala de jantar. Bela ficou perdi- da de medo, mas lembrando-se de que estava ali pata dar a sua vida em resgate da de seu pai, mandou entrar quem batia. Era a Fera; com um ramo na máo. avançava lentamente.

– Nada receies, Bela; não sou capaz de te fazer mal. Amo-te, e só peço que não tenhas medo de mim. Pode ser que, conhecendo-me melhor, vejas que o hábito não faz o monge, e que este horrível corpo esconde alguma coisa que vale muito.

E, avançando com a mão sobre o coraçáo, ofereceu o ramo a Bela.

Esta ainda estava mais aterrada de que se a morte ameaçasse. Mas, erguendo os olhos, viu os da Fera tão meigos e o gesto do pobre animal tão humilde, que recobrou o ânimo. Os olhos da Fera encheram-se de lágrimas e, dando um suspiro, murmurou:

– Vejo que me temes e eu amo-te tanto, tanto!…

Bela sossegou-a e, compungida pelo sofrimento em que a via, falou:

– Não tenho medo de ti, Fera, mas tu és tão feia! Bem vês que é impossível ter-te amor, mas posso ser muito tua amiga.

A Fera, um pouco mais consolada, disse-lhe que, se tinha vontade de comer, tomasse aquela refeição, e que todos os desejos que tivesse seriam cumpridos.

Bela sentou-se à mesa, e vendo mais um talher, perguntou para quem era.

– Era para mim, mas eu repugno-te tanto! – respondeu o pobre animal com voz triste.

– Não me repugnas, não. Pareces-me muito boa. És feia de corpo, mas vejo que és bonita de alma. Se o desejas, senta-te aqui ao pé de mim.

A Fera, com os olhos brilhantes de contentamento, sentou-se ao pé de Bela, cercando-a de milhares de atenções e servindo-a com toda a delicadeza.

Depois de terminada a refeição, ergueu-se e, agradecendo a Bcla a sua condescendência, disse-lhe:

– Ninguém entrará neste aposento a não ser eu quando me quiseres dar esse prazer. Podes, pois, estar tranqüila.

A vida de Bela corria tão feliz quanto podia ser, longe da família. Nada lhe fliltava e a Fera era tão boa, tão humilde, tão respeitosa, tão meiga que a gentil menina lhe tomara verdadeira afeiçáo, e nem já reparava que era um monstro horroroso.

No seu quarto havia um enorme espelho em que via tudo que se passava em casa do pai. Um dia, quando se levantou, viu o velho mercador no leito, cercado de médicos. Deu um grito:

– Fera, ó, Fera!

Esta apreceu logo, cheia de cuidado.

– Vê, meu pai está doente, sem ter ao pé de si a sua enfermeira. Deixa-me ir tratar dele.

A Fera chorava.

– Vai – disse. – Vai, mas não te esqueças de mim, senão morro. Logo que teu pai esteja bom, volta. Náo te demores, senão já não me encontrarás. Este anel te transportará, e nunca o deixes para não esqueceres de mim.

Bela, para não prolongar as dores da despedida, disse, também a chorar:

-Anelzinho de condão, pelo condão que Deus te deu, transporta-me à casa de meu pai.

E achou-se em casa do pai.

Abdenos, quando viu a filha, ficou tão contente, que melhorou consideravelmente. O mercador tinha todas as noites, em sonhos, notícias da filha, e sabia tudo quanto ocorria no palácio da Fera. Mas a saudade ia-o minando lentamente, e adoecera.

Já o mesmo não sucedia às irmãs. Ao verem-na, ficaram desesperadas. Cheias de inveja, procuraram saber o meio de que Bela dispunha para se transportar ao palácio encantado, meio que a irmã, por prudência, lhes não revelara.

Bela, quando se lavava, tirava sempre o anel; as irmãs desconfiaram que ele era de condão, e combinaram-se para a chamarem de repente, quando o tivesse tirado do dedo, roubando-lhe. Assim fizeram e conseguiram haver à mão o desejado anel.

O mercador no fim de oito dias estava restabelecido.

Bela sonhava todas as noite com a Fera, que via triste e adoentada, sempre a chorar. Como, porém, lhe tinham roubado o anel, de dia esquecia-se.

Uma noite sonhou que a Fera estava a expirar. Acordou apavorada e, vendo que não tinha o anel no dedo, lembrou-se que as irmãs eram capazes de lho terem
tirado. E, para o reaver, foi ao quarto delas, dizendo, como de si para si:

– Ora isto! Perdi o meu anel. Que desgraça! Se alguém o tem, morre dentro de um mês.

As irmãs, acreditando nas palavras de Bela, foram logo a correr buscar-lhe o anel, dizendo-lhe que o tinham guardado por brincadeira.

Bela meteu-o imediatamente no dedo e, proferindo as palavras sacramentais, achou-se no palácio, onde viu a Fera agonizante.

Ajoelhou-se junto do pobre animal, afagando-o, dispensando-lhe as palavras mais meigas, fazendo-o respirar sais. Mas o animal não se movia.

Depois de muitos esforços, pareceu a Bela que sentia palpitar-lhe o coração. Continuou, pois, a ministar-lhe os mesmos remédios, e por fim ela voltou a si.

A moça compusera o rosto, disfarçando a sua aflição, a fim de não aterrar a doente. Tornando a Pera asi, ela murmurou:

– Agora, que te vi quase perdida, é que conheci o que passava no meu coração. Náo sejas injusta, amo-te.

Mal pronunciara esta última palavra, espalhou-se pelo palácio uma deslumbrante luze, em lugar de Fera, apareceu aos seus olhos atónitos um formosíssimo príncipe.

Esse príncipe fora encantado naquele horrível animal, por uma fada má, e todos os seus súditos em plantas. As árvores, que se opunham à marcha de Abdenos, eram aguerridos soldados. O encanto só terminaria quando uma menina, boa e bonita, se apaixonasse pela Fera.

Logo que se quebrou o encanto, uma boa fada transportou para o palácio a família de Bela, transformando as irmãs em estátuas, para as castigar da sua maldade.

 

« Página anteriorPróxima Página »